Fotodocumentário Ferrovia

O trecho da estrada de ferro que compreende a linha Rubi da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), com seus 60,5 km entre a estação da Luz e a de Francisco Morato, é o tema deste autoral.

Em alguns trechos, notadamente na estação da Luz, ainda é possível vislumbrar a arquitetura original com seus tijolos aparentes e suas estruturas de ferro fundido devidamente preservadas em seus dias de glória.

Em outros pontos, sucessivas reformas e "modernizações" deram lugar ao concreto e a um subseqüente abandono da infra-estrutura ferroviária pelo poder público.

Esta linha atende predominantemente uma vasta população da periferia paulistana e municípios vizinhos, alguns deles de baixo IDH e famosos por seus altos índices de criminalidade.

Das janelas do vagão, a paisagem varia dos mais imponentes arranha-céus à mais precária das ocupações verticais, como a da favela do Moinho (nas ruínas do antigo Moinho Matarazo, cuja prefeitura de São Paulo acabou por demolir no início de 2012, depois de um incêndio em circunstâncias ainda não esclarecidas)... passando também por vastas áreas bucólicas semi-rurais, com pastos, bosques da indústria papeleira e vários córregos.

Os trilhos nos levam por "miragens" insuspeitas e palpáveis, nesse sacolejo que devora, sonolento, as horas e os dias da vida urbana.